REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CAPÍTULO I – DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

Art. 1º O Regulamento de Atividades Complementares, que constituem componentes enriquecedores e implementadores de habilidades e competências necessárias ao perfil profissional. Estabelece normas de acompanhamento e registro das Atividades Complementares dos Cursos de Bacharelado da Faculdade de Colider – FACIDER, contendo normas gerais para sua regulamentação, de acordo com os Projetos Pedagógicos dos Cursos.

CAPÍTULO II – DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Art. 2º O presente conjunto de normas constitui parte integrante do Regulamento Interno da Faculdade de Colider, relacionado aos Cursos de Bacharelado. Tem por finalidade normatizar o aproveitamento e validar as Atividades Complementares que compõem o currículo pleno desses cursos, sendo o integral cumprimento requisito indispensável à conclusão do curso e respectiva colação de grau.

Parágrafo único O objetivo geral das Atividades Complementares é o de flexibilizar o currículo pleno do curso e propiciar aos acadêmicos a possibilidade de aprofundamento temático e multidisciplinar.

Art. 3º Para determinação da Carga Horária das Atividades Complementares considerou-se aqui a Lei nº 13.005 de 25 de junho de 2014, onde fora aprovado o Plano Nacional de Educação – PNE, atribuindo o mínimo de 10% (dez por cento) do total de créditos curriculares exigidos para a graduação em programas e projetos de extensão universitária para áreas de grande pertinência social, sendo esse compromisso social mantido e ressaltado nos projetos da IES.

Art. 4º As Atividades Complementares são de cumprimento obrigatório e nenhum acadêmico poderá ser dispensado das atividades, ou de parte do conteúdo que as compõem.

Art. 5º.  As atividades deverão ser realizadas e contabilizadas durante o período em que o acadêmico estiver matriculado no seu respectivo curso de graduação.

CAPÍTULO III – DAS ATIVIDADES

Art. 6º As Atividades Complementares compreendem atividades de ensino, pesquisa e extensão.

Parágrafo 1º Para efeito deste Regulamento são consideradas atividades de ensino:

  • – Frequência e aprovação em cursos, mini-cursos e oficinas relacionados à área do Curso, oferecidos pela própria FACIDER ou por outras instituições;
  • – Frequência e aprovação em disciplinas relacionadas à área de curso, oferecidas pela própria FACIDER ou por outras Instituições de Ensino Superior (IES) reconhecidas pelo MEC;
  • – Frequência com aprovação em cursos de língua estrangeira oferecidos pela própria FACIDER ou por outras instituições;
  • – Aprovação em exames internacionais de proficiência em língua estrangeira;
  • – Participação no programa de monitoria da FACIDER;
  • – Realização de estágios extracurriculares relacionados à área do Curso;
  • – Participação em seminários, simpósios, congressos, colóquios, encontros e outros eventos de ensino relacionados à área do Curso, em âmbito, regional, estadual, nacional e internacional;
  • – Participação em projetos ou ações de ensino de intervenção social, inclusive voluntariado, relacionados à área do Curso;
  • – Outros, desde que reconhecidos pelos Colegiados dos Cursos da FACIDER.

Parágrafo 2º Para efeito deste Regulamento são consideradas atividades de pesquisa:

  • – Participação em projetos institucionalizados de pesquisa;
  • – Participação em grupos de pesquisa credenciados pela FACIDER, outras IES reconhecidas pelo MEC ou Institutos de Pesquisa;
  • – Participação de pesquisa relacionada à área do Curso;
  • – Participação em seminários, simpósios, congressos, colóquios, encontros e outros eventos relacionados à área do Curso, em âmbito regional, estadual, nacional ou internacional;
  • – Outros, desde que reconhecidos pelos Colegiados dos Cursos da FACIDER.

Parágrafo 3º Para efeito deste Regulamento são consideradas atividades de extensão:

I – Participação em ações de extensão institucionalizadas pela FACIDER, outras IES reconhecidas pelo MEC ou Institutos de Pesquisa;

  • – Produção de Extensão relacionada à área do Curso;
  • – Participação em seminários, simpósios, congressos, colóquios, encontros e outros eventos de extensão relacionados à área dos Cursos, em âmbito regional, estadual, nacional ou internacional;
  • – Participação em ações de extensão (educativos, artísticos, esportivos e culturais) de intervenção social, inclusive voluntariado, de curta duração, pertinentes a área de formação;
  • – Frequência e aprovação em cursos, mini-cursos e oficinas de extensão relacionada à área do curso, oferecidas pela FACIDER ou outras IES reconhecidas pelo MEC;
  • – Participação como conselheiro em Colegiados, Câmaras e Conselhos da FACIDER;
  • – Participação com membro da Direção ou Coordenação em Órgãos de

Representação Estudantil;

VIII – Representação da FACIDER como atleta em modalidades esportivas;

VII – Outros, desde que reconhecidos pelos Colegiados dos Cursos da FACIDER

 Art. 7º Somente será convalidada a participação em atividades que puderem ser comprovadas por declaração, certificado ou outro documento idôneo após análise da Coordenação de Curso da FACIDER, e realizadas dentro do período de curso do acadêmico.

Art. 8º O acadêmico poderá escolher quaisquer Atividades Complementares dentre as listadas no Art. 6º, sendo obrigatória à realização de, pelo menos, um tipo de atividade complementar em dois dos grupos apresentados no referido artigo.

Parágrafo Único – As atividades de estágio extracurriculares e monitorias não poderão exceder 30% da carga horária total de Atividades Complementares da matriz curricular do curso.

CAPÍTULO IV – DA OFERTA

 Art. 9º As Atividades Complementares podem ser desenvolvidas na própria Faculdade de Colider ou em outras Instituições públicas ou privadas, desde que propiciem a complementação da formação do acadêmico, assegurando o alcance das finalidades previstas neste Regulamento.

Art. 10º Durante o ano letivo, a Direção Geral, Direção Acadêmica, Coordenação dos Cursos poderão oferecer, a título oneroso ou gratuito aos acadêmicos da Instituição, atividades que poderão ser validadas como Atividades Complementares.

 CAPÍTULO V – DOS PRAZOS

 Art. 11º Os documentos comprobatórios do cumprimento das Atividades Complementares, deverão ser encaminhados pelo acadêmico por meio de requerimento oficial a Coordenação, juntado os comprovantes necessários para análise. A coordenação do curso, após conferido a regularidade, encaminhara à Secretaria de Registro Acadêmico (S.R.A) relatório individual do acadêmico, para o registro do cumprimento ou ao cumprimento por parte do referido acadêmico.

Parágrafo Único – Validações de Atividades Complementares realizadas em outras IES ou entidades somente serão validadas após conferência da veracidade da documentação apresentada pelo acadêmico, sujeito ao indeferimento. Deverá apresentar cópia autenticada do documento original ou protocolar cópia simples juntamente com a original a qual após a conferência será devolvida ao acadêmico.

Art. 12º Caberá ao acadêmico, ate 45 (quarenta e cinco dias) antecedendo ao termino do mesmo do curso, comprovar as Atividades Complementares, cumpridas, por meio de requerimento, tal procedimento adotado Art. 11.

CAPÍTULO VI – DO REGISTRO

Art. 13º  Os documentos comprobatórios das Atividades Complementares serão arquivados na pasta de cada acadêmico na Secretaria de Registro Acadêmico, a quem cabe o registro na ficha individual do acadêmico;

Parágrafo 1º Recebera a Secretaria de Registro Acadêmico por meio da  Coordenação do Curso e ou Departamento especifico para tal, a conferencia, contagem e relatório das Atividades concluídas e ou a concluir pelo discente.

Parágrafo 2º A contagem da carga horária das atividades realizadas deverá ser efetuada pela conversão de horas realizadas em Horas de Atividades Complementares (HAC) de acordo com o Anexo I.

Art. 14º O controle das Atividades Complementares é de responsabilidade do Coordenador do curso e Secretaria de Registro Acadêmico, a quem cabe avaliar os certificados, atestados, relatórios e outros apresentados pelo acadêmico.

Art. 15º É de exclusiva competência da Coordenação a analise e a atribuição das horas de atividades complementares de cada acadêmico, dentro dos limites e tipos fixados neste requerimento.

CAPÍTULO VII – DA TRANSFERÊNCIA DE ACADÊMICOS

Art. 16º Os acadêmicos transferidos de outras instituições de ensino, deverão apresentar, por meio de requerimento oficial da FACIDER, junto a Seção Protocolo, submetendo a Coordenação do Curso os respectivos comprovantes das Atividades Complementares cumpridas na instituição de origem.

Parágrafo 1º Será exigido do acadêmico transferido o cumprimento integral da carga horária das Atividades Complementares estabelecidas para cada curso, sendo automaticamente validadas as horas cumpridas em tais atividades durante o período cursado na instituição de origem, desde que estejam comprovadas na documentação de transferência. Caso contrário, deverá completá-las dentro do prazo de conclusão do curso.

Parágrafo 2º Ao que se refere §1º é dever e caberá ao acadêmico, por meio de requerimento oficial da FACIDER, a apresentação, comprovação entre outros, mesmo sem a solicitude da Coordenação e ou S.R.A do que refere a comprovação das Atividades Complementares anteriores.

CAPÍTULO VIII – DAS COMPETÊNCIAS DO ACADÊMICO

 Art. 17º Compete ao acadêmico:

  1. Informar-se sobre as atividades oferecidas dentro ou fora da Faculdade de Colider;
  2. Inscrever-se nas atividades programadas e delas participar efetivamente;
  3. Providenciar a documentação que comprove sua participação na(s) atividade(s) e apresentá-la(s) dentro do prazo estipulado;
  4. Acompanhar, a cada semestre, o total consolidado de horas de Atividades Complementares já cumpridas e/ou as ainda necessárias.

 CAPÍTULO IX – DISPOSIÇÕES FINAIS

 Art. 18º Os casos omissos neste Regulamento serão resolvidos pelo Coordenador de Curso e Direção Acadêmica, e quando for o caso demais Coordenadores dos Cursos de graduação da FACIDER.

Art. 19º Este Regulamento entra em vigor na data da sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

ANEXO I – DISTRIBUIÇÃO DE CARGA HORÁRIA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Categoria

da

Atividade

Tipo de Atividade Carga Horária

FACIDER

Cara Horária

Outros

Atividades de Ensino Realização de cursos de língua estrangeira, dentro ou fora da FACIDER. 1 HAC a cada 1 h. de curso 1 HAC a cada

15 h. de curso

Certificado de proficiência em língua estrangeira. 10 HAC por exame 10 HAC por exame
Monitorias regimentalmente estabelecidas pela FACIDER ou por outras Instituições correlacionadas a área do curso. 1 HAC a cada 1 h. de monitoria 1 HAC a cada

10 horas de monitoria

Participação em projetos ou ações (educativos, artísticos, esportivos e culturais) de intervenção social, inclusive voluntariado de curta duração, relacionadas à área de formação. 1 HAC a cada 1 h. de participação 1 HAC a cada 4 horas de participação
Participação como ouvinte em seminários, simpósios, congressos, colóquios e encontros regionais, estaduais, nacionais e internacionais de ensino relacionados com a área de formação. 1 HAC a cada 1 h. de participação 1 HAC a cada 4 horas de participação
Participação em cursos de curta duração, mini-cursos ou oficinas de autorização relacionadas à área de formação. 1 HAC a cada 1 h. de participação 1 HAC a cada 10 horas de participação
Realização de estágios extracurriculares relacionados à área de formação. 3 HAC a cada

10 horas de estágio

3 HAC a cada

20 horas de estágio

 

 

 

Categoria

da

Atividade

Tipo de Atividade Carga Horária

FACIDER

Cara Horária

Outros

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Atividades de

Extensão

Participação em programas ou projetos de extensão na FACIDER, outras IES. 1 HAC a cada 1 h. de participação 1 HAC a cada 10 h. de participação
Publicação de trabalhos em periódicos ou revistas científicas. 20 HAC por publicação 20 HAC por publicação
Participação com apresentação oral em seminários, simpósios, congressos, colóquios e encontros regionais, estaduais, nacionais e internacionais relacionados a área de formação. 10 HAC por participação 10 HAC por participação
Participação com apresentação de pôster em seminários, simpósios, congressos, colóquios e encontros regionais, estaduais, nacionais e internacionais relacionados a área de formação. 10 HAC por participação 10 HAC por participação
Participação como ouvinte em seminários, simpósios, congressos, colóquios e encontros regionais, estaduais, nacionais internacionais de extensão relacionados a área de formação. 1 HAC a cada 1 h. de participação 1 HAC a cada 4 h. de participação
Participação de comissão organizadora de seminários, simpósios, congressos, colóquios e encontros regionais, estaduais, nacionais e internacionais promovidos pela FACIDER. Até 10 HAC

por

participação

XXXXXX
Participação em ações de extensão (educativos, artísticos, esportivas e culturais) de intervenção social, inclusive voluntariado de curta duração, relacionada à área de formação. 1 HAC a cada 1 h. de participação 1 HAC a cada 4 horas de participação
Participação em cursos de curta duração, mini-cursos ou oficinas de atualização relacionadas à área de formação, promovidos pela FACIDER ou outras IES. 1 HAC a cada 1 h. de participação 1 HAC a cada 10 h. de participação
Participação como conselheiro em Colegiados, Câmaras e Conselhos da FACIDER. 4 HAC por ano XXXXXX
Participação como membro em Órgãos de Representação Estudantil. 4 HAC por ano XXXXXX

 

Categoria

da

Atividade

Tipo de Atividade Carga Horária

FACIDER

Cara Horária

Outros

 

 

 

 

 

 

 

 

Atividades de

Pesquisa

Participação em projetos de pesquisa na FACIDER, outras IES reconhecidas pelo MEC ou Institutos de Pesquisa. 1 HAC a cada 1 h. de participação 1 HAC a cada 8 h. de participação
Publicação de trabalhos em periódicos da área do Curso, reconhecidos pelo Colegiado do Curso. 20 HAC por trabalho 20 HAC por trabalho
Participação com apresentação oral de trabalhos em seminários, simpósios, congressos, colóquios e encontros regionais, estaduais, nacionais, e internacionais de pesquisa, promovidos pela FACIDER ou por outras Instituições de Ensino Superior (IES). 10 HAC por participação 10 HAC por participação
Participação com apresentação de pôster em seminários, simpósios, congressos, colóquios e encontros regionais, estaduais, nacionais, e internacionais de pesquisa, promovidos pela FACIDER ou por outras Instituições de Ensino Superior (IES). 10 HAC por participação 10 HAC por participação
Participação como ouvinte em seminários, simpósios, congressos, colóquios e encontros regionais, estaduais, nacionais e internacionais de pesquisa, promovidos pela FACIDER ou por outras Instituições de Ensino Superior (IES). 1 HAC a cada 1 h. de participação 1 HAC a cada 4 h. de participação

DO REGULAMENTO DO REGIME DE MONITORIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACIDER

 Capítulo I

 Definição de Atividade de Monitoria

Art. 1º. O Sistema de Monitoria da FACIDER fica entendido como uma modalidade específica de atuação acadêmica, onde o corpo discente da instituição tem a possibilidade de interagir na atividade de iniciação a pesquisa e outras atividades pertinentes ao curso, através da realização de programas de ensino, pesquisa e extensão, com apoio do corpo docente.

  • As atividades de Monitoria Acadêmica serão desenvolvidas durante o semestre letivo regular, com carga horária equivalente à da disciplina em que se realiza a monitoria, ou específica ao período de pesquisa a qual o monitor estará integrado sob a supervisão do professor responsável pela monitoria.
  • A função de monitor acadêmico não se configura em atividade remunerada e não gera vínculo empregatício com a instituição, de acordo com Decreto nº 85.862, em seu Art. 1º, Parágrafo único.
  • Poderá ou não o monitor ser beneficiado com bolsa de estudos de até 30% do valor das mensalidades durante o período que desenvolver a função.
  • O exercício da monitoria não isenta o acadêmico das atividades regulares do seu curso.

Capítulo II – Objetivos da Monitoria

Art. 2º. O Sistema de Monitoria da FACIDER tem como objetivos básicos:

I – Facilitar a participação dos alunos na execução de projetos de ensino e na vida acadêmica;

II – Incentivar a melhoria do processo ensino-aprendizagem, promovendo a cooperação acadêmica entre professores e alunos;

III – Reduzir os índices de reprovação, evasão e falta de motivação nas disciplinas;

IV – Incentivar a reflexão crítica do aluno e a descoberta de novas aptidões;

V – Oferecer ao aluno experiência nas atividades técnicas, didáticas e científicas em determinadas disciplinas;

VI – Auxiliar a evolução do acadêmico com dificuldades de aprendizagem, através do constante acompanhamento por monitores e docentes;

VII – Aprofundar o conhecimento do monitor sobre o conteúdo da disciplina.

VIII – Desenvolver atividades de pesquisa científica.

Capítulo III – Funções do Monitor

 Art. 3º – São funções do monitor:

I – Participar, juntamente com o professor responsável pelas atividades de ensino, em tarefas condizentes com o seu grau de conhecimento e experiência:

  1. a) no planejamento das atividades;
  2. b) na preparação de orientação e no processo de avaliação dos alunos;
    c) na realização de trabalhos práticos e experimentais.

II – Participar na prática do ensino, constituindo-se em elo de ligação entre professor e alunos, sempre sob supervisão do professor responsável pela disciplina.

III – Cumprir as horas previstas no Plano de Atividades, conforme horários pré-estabelecidos com o professor supervisor.

IV – Atender alunos, em grupos ou individualmente, para esclarecimentos de dúvidas e orientação de atividades extraclasse.

V- Efetuar diariamente o controle dos atendimentos e atividades desenvolvidas, visando a obtenção de subsídios para a elaboração do Relatório Final da monitoria.

VI – Apresentar Relatório Final das atividades de monitoria acadêmica ao término do semestre.

VII – Dedicar-se a pesquisa científica de forma orientada.

VII – É vedado ao monitor ministrar aulas, substituir o professor supervisor, aplicar verificações de aprendizagem, assumir tarefas ou obrigações próprias e exclusivas de professores e funcionários.

Art. 4º. As atividades do monitor obedecerão à programação elaborada pelo professor responsável e aprovada pela Coordenação do respectivo curso e submetida a Direção Geral, que dará ou não a aprovação final.

Capítulo IV – Obrigações do Monitor

Art. 5º. São obrigações do monitor:

I – Auxiliar o acadêmico no processo ensino-aprendizagem;

II – Cumprir todas as tarefas estabelecidas conforme o plano elaborado;

III – Auxiliar o professor orientador na elaboração do plano de trabalho;

IV – Atender com cordialidade e presteza aos pedidos dos alunos sob sua orientação;

V – Comparecer às atividades no horário e local determinado pelo professor orientador;

VI – Levar todas as dificuldades encontradas nos momentos do desenvolvimento das atividades ao professor orientador;

VII – Avisar com antecedência aos alunos o horário e local das atividades;

VIII – Prestar contas ao professor orientador das atividades desenvolvidas e seus resultados;

IX – Agir com eficiência, boa-fé e ética;

X – Prestar contas por meio de relatório.

XI – Conduzir a pesquisa científica de acordo com as orientações do professor envolvido.

Art. 6º. Fica vedado a qualquer monitor:

  1. Agir diversamente do que se constituir como sua obrigação;
  2. Receber qualquer valor ou benefício de qualquer aluno sob sua orientação;

III. Realizar qualquer projeto sem autorização do professor orientador;

  1. Ter mais que uma disciplina de monitoria;
  2. Ser desrespeitoso com qualquer aluno sob sua égide, quer no campo da agressão física quanto moral;

Art. 7º. A prática de qualquer dos atos descritos no artigo anterior gera ao monitor a sanção de exclusão da monitoria e, a critério da colegiado do curso, a recomendação à Direção Geral para aplicação de sanções descritas no Regimento Interno da FACIDER.

Capítulo V – Professor Orientador

Art. 8º. O professor orientador deve ser docente da FACIDER, salvo disposição contrária da Coordenação de Curso, devidamente fundamentada e após aprovação da Direção Geral.

Art. 9º. O professor orientador terá um aluno monitor para cada matéria lecionada ou por cada projeto de pesquisa científica, salvo necessidade especial a ser objeto de decisão da Coordenação de Curso e Direção Geral.

Art. 10º. O professor orientador é responsável pela atuação do monitor.

Art. 11º. São funções e obrigações do professor orientador:

I – Acompanhar o monitor em suas atividades, avaliando sua evolução;

II – Elaborar o plano de trabalho da disciplina, esclarecendo as temáticas ao monitor, devendo conter definição, objetivos a serem alcançados, cronograma de acompanhamento, metodologias a serem utilizadas e avaliação do desempenho do monitor;

III – Acompanhar a distribuição de atividades aos alunos pelo monitor;

IV – Controlar a freqüência do monitor;

V – Zelar pela correção das atividades do monitor, orientando-o no sentido técnico, ético e moral;

VI – Informar à Coordenação de Curso qualquer irregularidade na atuação do monitor;

VII – Informar semestralmente à Coordenação de Curso, em ofício padrão, dados acerca da freqüência do monitor e de seu desempenho acadêmico.

VIII – Atender às solicitações da Coordenação de Curso;

Art. 12º. Fica vedado ao professor orientador:

I – Deixar de atender as obrigações descritas no artigo anterior;

II – Transferir ao monitor atividades que estejam fora das funções deste;

Capítulo VI – Coordenação do Sistema de Monitoria

Art. 13º. A coordenação do Regime de Monitoria dos Cursos de Graduação da FACIDER será exercida pela Coordenação do respectivo curso, que avaliará o desenvolvimento da monitoria.

Art. 14º. Caberá ao Coordenador de cada Curso supervisionar:

I – O programa, planejamento e critérios de avaliação da disciplina;
II – As formas de acompanhamento das atividades do monitor;
III – O processo de seleção dos monitores e homologação dos resultados;

Art. 15º. Caberá à Coordenação de Curso decidir sobre eventuais recursos interpostos por alunos monitores, bem como sobre questionamentos levantados pelos professores orientadores.

Art. 16º. Da decisão do Coordenador de Curso caberá recurso ao Colegiado do Curso respectivo

Capítulo VII  – Cronograma de Atividades

Art. 17º. O cronograma de atividades da monitoria conterá os seguintes eventos:

I – Divulgação de edital de abertura de inscrições;

II – Inscrições;

III – Realização do processo de seleção;

IV – Homologação dos resultados e divulgação;

V – Desenvolvimento das atividades de monitor;

VII – Conclusão do programa;

VIII – Certificação.

Capítulo VIII  – Inscrição e Seleção

Art. 18º. Poderão se inscrever para seleção em monitoria de ensino:

I – Os alunos regularmente matriculados nos cursos da IES;

II – Os alunos de outras instituições nacionais ou estrangeiras, em caráter excepcional e somente durante o tempo de permanência na FACIDER, em virtude de convênios que assim o permitam.

 

Art. 19º. No caso das monitorias de ensino, poderão inscrever-se para seleção:

I – Os candidatos que tiveram integralizado a disciplina para a qual postulam-se;

II – Os candidatos que cursaram com bom rendimento a disciplina à qual postulam-se, demonstrada através de analise curricular;

III – Os candidatos interessados em disciplinas recém-criadas, ainda não oferecidas ou que não façam parte de seu currículo, deverão demonstrar conhecimento técnico ou prático na área que postulam.

IV – Os candidatos que tiverem demonstrado interessem no assunto pertinente a pesquisa.

Art. 20º. A seleção será realizada nos moldes descritos em portaria específica de lavra da Coordenação do Curso, devendo contar com, no mínimo, quatro fases, para monitor de disciplinas, sendo:

I – Prova escrita;

II – Análise curricular;

III – Análise do histórico acadêmico;

IV – Entrevista.

V – Demonstração de interesse e comprovação de conhecimento para as monitorias nos projetos de pesquisa científica.

Parágrafo-único. Nas fases constantes deste artigo, adotar-se-ão os seguintes critérios:

I – Serão atribuídas notas de zero a dez, ficando habilitado o candidato que obtiver média igual ou superior a sete;

II – Havendo mais de um candidato aprovado, a comissão indicará a ordem de classificação;

III – Em caso de empate, prevalecerá a maior nota obtida na análise curricular. Persistindo o empate, prevalecerá a maior nota da análise do histórico acadêmico. Se, ainda, houver empate, a melhor entrevista.

Art. 21º. Após o término da seleção, será lançado em edital os nomes dos acadêmicos aprovados.

Capítulo IX – Certificação das atividades

Art. 22º. Ao monitor, após conclusão com aproveitamento das atividades e a homologação dos relatórios pela Coordenação de Curso, será outorgado:

I – validação de atividades complementares, caso solicitado pelo monitor no setor de protocolos;
II – registro da atividade em histórico escolar;
III – certificado de monitoria.

Art. 23º. Será outorgado ao professor responsável pela atividade, certificado de orientador em monitoria no período.

Capítulo X – Desligamento do Monitor

Art. 24º. O desligamento do monitor poderá acontecer pelos seguintes motivos:

I – Conclusão do processo;

II – Descumprimento das Obrigações.

Parágrafo-único. Em caso de desligamento, o professor responsável pela atividade deverá comunicar à Coordenação de Curso, que adotará as medidas de exclusão.

Capítulo XI – Disposições Gerais e Transitórias

Art. 25º. O Regime de Monitoria terá plena vigência a partir do ano letivo de 2016. Podendo ser revisado e atualizado a qualquer momento e passará a vigora imediatamente após a aprovação da Direção Geral.

Art. 26º. Os casos omissos serão analisados pelos departamentos, representados por suas respectivas coordenações, encaminhadas à Direção Geral para apreciação e deferimento.

 

Edilaine Matchil M. da Silva
Diretora Geral – FACIDER